Webmail    |    Intranet

BOLETIM TÉCNICO 100 - Versão Impressa



BOLETIM TÉCNICO N.° 100


RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA O ESTADO DE SÃO PAULO


Editores

Bernardo van Raij
Heitor Cantarella
José Antonio Quaggio
Ângela Maria Cangiani Furlani


APRESENTAÇÃO


A agricultura paulista é bastante singular quanto à utilização de tecnologia, nela coexistindo desde a empírica de subsistência, até a do limiar do conhecimento científico e tecnológico. De modo geral, ela é conservadora quanto aos sistemas de produção, considera pouco relevantes para a preservação do ambiente rural, a eficácia produtiva e a qualidade do produto, para atendimento de um mercado cada vez mais exigente e diversificado. Podese considerá-la como uma atividade de altas perdas, dos insumos aos produtos e, regionalmente, pouco homogênea quanto à adoção de técnicas adequadas. Lado a lado, convivem áreas em exploração produtiva, competitiva e ecologicamente corretas, com outras de baixa produtividade, alto risco econômico e, principalmente, em acelerado processo de degradação. O solo, substrato onde as plantas de desenvolvem, nem sempre assegura o pleno fornecimento dos minerais e outras substâncias de que elas necessitam, nem lhes garante a expressão de seu potencial produtivo. Altamente complexo, podendo até ser considerado como um organismo vivo, o solo fornecedor de nutrientes às plantas, é fator de produção tecnicamente de fácil modificação e ajuste. Conhecer os limites desses ajustes, as suas relações com a produção e com a qualidade do produto e do ambiente, é fundamental ao exercício da arte da agricultura, ou da agricultura como arte. O Instituto Agronômico (IAC) tem desempenhado, na área da nutrição das plantas e da adubação e correção do solo, um extenso, continuado e profícuo trabalho de definição de como, quanto e quando modificar o solo para o alcance dos objetivos produtivos. Assim, o IAC apresenta esta nova edição do Boletim 100, que traz de forma organizada, as informações básicas e necessárias ao entendimento das respostas das plantas ao ambiente solo e, pragmaticamente, recomenda a sua correção e adubação. Este trabalho representa o somatório da experiência e vivência da maioria do corpo técnico do IAC e de colaboradores da CATI, CCA-UFSCar, CENA-USP, COPERSUCAR, EMBRAPA, ESALQ/USP, Instituto de Zootecnia (IZ), MA-Pró-Café, além de especialistas da iniciativa privada. Acompanhando a vocação da agricultura paulista e por causa da sua diversificação, não poderia ser diferente este Boletim, que contém recomendações técnicas sobre mais de uma centena de espécies, recomendações essas também válidas e aplicáveis a outras regiões com condições edafoclimáticas semelhantes.


CONTEÚDO

AMOSTRAGEM DE SOLO

3

Escolha de glebas para amostragem

3

Ferramentas e coleta de amostras

4

Freqüência e época de amostragem

5

Local e profundidade de amostragem

5

Envio da amostra de solo ao laboratório

6

   

REPRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE E SOLOS, FOLHAS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS

6

Unidades de representação de resultados

6

Solos

6

Folhas

7

Corretivos da acidez

7

Fertilizantes

7

Conversão de unidades

8

   

INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS DE ANÁLISE DE SOLO

8

Nitrogênio

9

Fósforo e potássio

9

Acidez

10

Cálcio, magnésio e enxofre

11

Micronutrientes

12

Matéria orgânica e argila

12

Interpretação de resultados de análise de amostras do subsolo

13

   

PRODUTIVIDADE ESPERADA

13

   

CORREÇÃO DA ACIDEZ DO SOLO

14

Corretivos da acidez

14

Cálculo da necessidade de calagem

17

Incorporação do corretivo

17

Redução da acidez do subsolo

17

Cálculo da necessidade de calagem usando o Sistema Internacional de Unidades

18

   

ADUBAÇÃO FOSFATADA

19

Fertilizantes fosfatados

19

Adubação fosfatada

21

   

ADUBAÇÃO COM NITROGÊNIO, POTÁSSIO E ENXOFRE

22

Nitrogênio

22

Potássio

25

Enxofre

26

   

ADUBAÇÃO COM MICRONUTRIENTES

27

Fertilizantes contendo micronutrientes

27

Adubação com micronutrientes

29

   

ADUBAÇÃO ORGÂNICA

30

Adubos orgânicos

30

Estercos de origem animal

30

Compostos

32

Resíduos urbanos e industriais

32

Adubos verdes

34

Adubos organominerais

34

   

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PLANTAS E DIAGNOSE FOLIAR

35

Composição química das plantas

35

Diagnose foliar

36

   

IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES

37

Adubos simples

38

Fórmulas NPK

38

Adição de enxofre e de micronutrientes.

38

Modos e épocas de aplicação

39

Fórmulas NPK com o Sistema Internacional de Unidades

40

Apresentação de resultados e recomendações

41

   

CEREAIS

43

Informações gerais

45

Composição química, amostragem de folhas e diagnose foliar

46

Arroz de sequeiro

48

Arroz irrigado

50

Aveia e centeio

52

Cevada

54

Milho para grão e silagem

56

Milho "Safrinha"

60

Milho pipoca

62

Milho verde e milho doce

64

Sorgo granífero, forrageiro e vassoura

66

Trigo e triticale de sequeiro

68

Trigo e triticale irrigados

70

   

ESPECIARIAS, AROMÁTICAS E MEDICINAIS

73

Informações gerais

75

Camomila

76

Capim-limão ou erva-cidreira, citronela-de-java, palma-rosa

77

Cardamomo

78

Confrei

79

Curcuma

80

Digitális

81

Erva-doce ou funcho

82

Estévia

83

Gengibre

84

Menta ou hortelã

85

Pimenta-do-reino

86

Píretro

87

Urucum

88

Vetiver

90

   

ESTIMULANTES

91

Informações gerais

93

Composição química e diagnose foliar.

94

Cacau

96

Café

97

Chá

102

Fumo

103

   

FIBROSAS

105

Informações gerais

107

Composição química e diagnose foliar do algodoeiro

108

Algodão

109

Bambu

112

Crotalária júncea

113

Juta

114

Linho têxtil

115

Quenafe

116

Rami

117

Sisal

118

   

FRUTÍFERAS

119

Informações gerais

121

Teores de macronutrientes primários em frutas

122

Amostragem de folhas e diagnose foliar

123

Abacate

126

Abacaxi

128

Acerola ou cereja-de-antilhas

129

Banana

131

Citros: laranja, limão, tangerina e murcote

133

Frutas de clima temperado - I: ameixa, pêssego, nêspera, nectarina e damasco-japonês (umê)

137

Frutas de clima temperado - II: figo, maçã, marmelo, pêra e pêssego em pomar compacto

139

Frutas de clima temperado - III: caqui, maçã, macadâmia, pecã e pêra

141

Goiaba

143

Mamão

145

Manga

146

Maracujá

148

Uvas finas para mesa e passa

150

Uvas rústicas para mesa, vinho e suco

152

   

HORTALIÇAS

155

Informações gerais

157

Composição química e diagnose foliar

160

Abobrinha ou abóbora de moita; abóbora rasteira, moranga e híbridos; bucha e pepino

165

Aipo ou salsão

166

Alcachofra

167

Alface, almeirão, chicória, escarola, rúcula e agrião d’agua

168

Alho

170

Alho-porro e cebolinha

171

Aspargo

172

Berinjela, jiló, pimenta-hortícola e pimentão

173

Beterraba, cenoura, nabo, rabanete e salsa

174

Brócolos, couve-flor e repolho

175

Cebola (sistema de mudas)

176

Cebola (sistema de bulbinhos)

177

Chuchu

178

Couve manteiga e mostarda

179

Feijão-vagem, feijão-fava, feijão-de-lima e ervilha torta (ou ervilha-de-vagem)

180

Melão e melancia.

181

Morango

182

Quiabo

183

Tomate (estaqueado)

184

Tomate rasteiro (industrial) irrigado

185

   

LEGUMINOSAS E OLEAGINOSAS

187

Informações gerais

189

Composição química e diagnose foliar

189

Amendoim

192

Ervilha-de-grãos

193

Feijão

194

Feijão-adzuki e feijão mungo

196

Gergelim

197

Girassol

198

Grão de bico

199

Leguminosas adubos verdes: crotalária, chícharo ou ervilhaca, feijão-de-porco, feijão-guandu, lablabe, mucuna, tremoço

200

Mamona

201

Soja

202

   

ORNAMENTAIS E FLORES

205

Informações gerais e diagnose foliar

207

Amarílis

209

Antúrio

210

Crisântemo

211

Gladíolo

212

Gloxínia

213

Gypsophila

214

Plantas ornamentais arbóreas

215

Plantas ornamentais arbustivas e herbáceas

216

Rosa

217

Violeta-africana

218

   

RAÍZES E TUBÉRCULOS

219

Informações gerais

221

Composição mineral, amostragem de folhas e diagnose foliar

222

Araruta industrial

224

Batata

225

Batata-doce e cará.

226

Inhame

227

Mandioca

228

Mandioquinha

229

   

OUTRAS CULTURAS INDUSTRIAIS

231

Informações gerais

233

Composição química e diagnose foliar

234

Cana-de-açúcar

237

Pupunha para extração de palmito

240

Seringueira

243

   

FLORESTAIS

245

Informações gerais

247

Conteúdo de macronutrientes em Eucalyptus e Pinus

248

Diagnose foliar.

250

Sistema de produção de mudas

251

Viveiro de mudas de Eucalyptus e Pinus

252

Viveiro de mudas de essências florestais de Mata Atlântica

254

Florestamentos homogêneos com Eucalyptus e Pinus

255

Reflorestamentos mistos com espécies típicas da Mata Atlântica

256

   

FORRAGEIRAS

261

Informações gerais

263

Composição química, amostragem de folhas e limites de interpretação

264

Recomendação de adubação e calagem

267

   

HIDROPONIA

275

Sais e fertilizantes recomendados

277

Sugestão de solução nutritiva

279


Recomendações de Adubação e Calagem para o Estado de São Paulo


Atenção: esta publicação encontra-se temporariamente esgotada.


Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600

APTA SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO